Slackline

Slackline vem da língua inglesa Slack = bamba, frouxa; Line = linha, fita, no caso pela semelhança com uma linha, é uma modalidade esportiva na qual o objetivo é a manutenção do equilíbrio sobre a fita de diversas formas. Tem como habilidade determinante o equilíbrio. Teve sua origem numa mistura de alpinismo e arte circense (corda bamba e cabo de aço), que tanto usavam para treinar e aperfeiçoar suas capacidades na escalada, como para realizar performances e espetáculos circenses.

A prática do Slackline é aconselhada para qualquer idade, tanto crianças, adultos e idosos, pois tem um caráter lúdico, e criativo,  de superação e busca do objetivo. Também desenvolve a concentração, e pode proporcionar interações sociais e o desenvolvimento do indivíduo como cidadão e ser humano, dependendo da forma como é aplicado o treinamento.

Por ser uma prática recente no Brasil, a caracterização do Slackline como desporto ainda não é tão evidente. O número de organizações esportivas vem crescendo, as Federações de Slackline tomando forças no cenário, as competições sendo planejadas e organizadas. A modalidade ainda carece por centros de treinamento e, principalmente, de metodologias de ensino e treinamento.

Para melhor entendimento da modalidade o Slackline pode ser dividido em quatro categorias, classificadas por nós no presente estudo como:

Iniciação, com um nome geral slackline, onde o individuo toma consciência da prática, aprendendo de forma segura, e gerando adaptações motoras e corporais gerais. Utiliza Fita flat ou tubular, com até 20m de comprimento, e 25mm a 50mm de largura, fixadas por um sistema de catraca. Geralmente na iniciação são usadas fitas com pouca elasticidade e menores comprimentos.

Figura 1.1        Alunos praticando slackline na categoria de Iniciação nas aulas do serviço de extensão da FCA.
Figura 1.1        Alunos praticando slackline na categoria de Iniciação nas aulas do serviço de extensão da FCA.

 

Figura 1.2        Equipamentos utilizados para prática de iniciação do slackline.
Figura 1.2        Equipamentos utilizados para prática de iniciação do slackline.

 

 

Longline, Long = Longa,  Line = Linha

São fitas a partir de 20m de comprimento e, geralmente, de 25mm de espessura. O praticante precisa de maior controle e consciência corporal, concentração e frequência de treino, para praticar com qualidade. Nesta categoria não se usa um sistema de catraca, e sim, sistemas de redução chamados de primitivo, ou de polias. A tensão exercida no sistema para esticar fitas longas é alta, e, com a catraca, não é possível exercer tal tensão de forma eficiente, correta e segura.

 

prática no ibirapuera
Figura 2.1        Atleta Vinicius Cauhy praticando Longline na Praça do Obelisco, Ibirapuera,SP.

 

Equipamentos
Figura 2.2        Sistema de polias e Sistema de redução primitivo usados para montar longlines

 

Trickline, Trick = Manobra,  Line = linha

Onde são realizadas manobras na linha e são utilizadas fitas mais elásticas, normalmente com 50mm de largura, e uma média de 15 a 25m de comprimento, entre as ancoragens. Tem caráter mais competitivo e de espetáculo, pela dinâmica, criatividade e dificuldade das manobras onde o praticante busca o equilíbrio dinâmico e recuperado, com vôos, drops, giros, e combos (seqüência de manobras). Na fixação da fita são usadas catracas com dentição reforçada e alça manual alongada, específicas para essa categoria.

Devido ao alto custo do material específico, as pessoas usam equipamentos “semelhantes” como catracas de guincho, por exemplo, podendo causar sérios acidentes e comprometendo a integridade física do praticante e indivíduos ao redor, pois tal material não foi desenvolvido para a prática de slackline e sim guinchar carros. As aplicações de força e tensão serão diferentes para se guinchar um carro e para praticar slackline. Ao guinchar um carro, teremos a aplicação de força e tensão em apenas um sentido, e na prática do slackline, teremos vários sentidos de tensão devido à dinâmica dos movimentos, podendo gerar picos de tensão, muito altos, que podem romper as fitas e também quebrar as catracas, se não forem especificas para a modalidade.

Sempre se deve usar um backup de segurança para a prática do trickline. A Figura 3, a seguir, mostra uma prática desta categoria.

Figura 3.1        Atleta Filipe Matos praticando trickline na Área de Esportes Radicais da FCA.
Figura 3.1        Atleta Filipe Matos praticando trickline na Área de Esportes Radicais da FCA.

 

Figura 3.2        Equipamentos utilizados para praticar trickline com backup de segurança
Figura 3.2        Equipamentos utilizados para praticar trickline com backup de segurança

 

 

Highline, High = Alto

Praticado a partir de 10 metros de altura do solo. Envolve muito mais questões técnicas e especificas. É necessário o uso de mais equipamentos específicos para a prática, para suportar a tensão e as forças que são exercidas no sistema redução-fita-praticante. Também é usado um sistema de backup para segurança do praticante, neste caso, totalmente individual, onde é montado um highline sobre o outro, mas com diferentes ancoragens. O uso do backup é fundamental e obrigatório para a prática segura do highline.

O praticante deve ainda usar o boudrier (cadeirinha de escalada) acompanhado do leash, uma corda revestida com fita tubular amarrada com nó oito nas duas extremidades, na fita e na cadeirinha, para segurá-lo em caso de queda.

Para iniciação e aperfeiçoamento no highline é recomendado procurar profissionais e atletas experientes para guiá-lo neste aprendizado, pois a prática não realizada de forma consciente e segura, leva à sérios riscos de lesões e até à morte.

 

Highline
Figura 4.1        Atleta Vinicius Cauhy praticando highline no Dia Mundial do Desafio na cidade de Guarulhos, em São Paulo, Brasil

 

Highline
Figura 4.2    Atleta Bruno Migueis praticando highline nos prédios da FCA, com toda segurança, com leash, boudrie e backup

 

Retirado de:

CAUHY, Vinicius. Slackline: Uma Proposta de Ensino, 2014. 36p. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduaçâo em Ciências do Esporte) – Faculdade de Ciências Aplicadas, Universidade Estadual de Campinas, Limeira, 2014.

CAUHY, Vinicius. Slackline: Teaching Methodology and Fundamentals Padronization, 2014